Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


frase

por Luzia Pinheiro, em 30.01.08

"Tolo é aquele que afundou seu navio duas vezes e ainda culpa o mar."

Publilus Syrus (poeta italiano)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:17

Frase solta

por Luzia Pinheiro, em 27.01.08
"Não espere por uma crise para descobrir o que é importante em sua vida."
( Platão )

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 12:09

Formas de falar

por Luzia Pinheiro, em 27.01.08

"Um comentário impensado tem um potencial imenso para causar grandes mágoas emocionais. Se der consigo a dizer "Criança estúpida! Nunca mais aprendes!", é bom que perceba que está a programar a mente de uma criança, que irá repetir a si própria, dia após dia e ano após ano "sou estúpido e não sei aprender."

A amplitude com que se diz as coisas também desempenha um papel importante na gravação de uma mensagem negativa no cérebro de uma pessoa. Quando dito suave e docemente, até o mais duro dos comentários terá um impacto pouco significante, ao passo que um simples "És completamente inútil", proferido em voz alta e carregado de energia negativa irá causar muito mais danos. Tente sempre separar a pessoa da respectiva acção, isto é, diga "o que fizeste foi uma coisa estúpida e perigosa e aqui está porque." Assim, estará a condenar a acção, em vez do actor."



Gadd, Ann (2007). " A rapariga que rói as unhas e o homem que chega sempre atrasado".

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:07

Criticar

por Luzia Pinheiro, em 27.01.08

"Quanto mais criticamos os outros, mais forte é a indicação em como não gostamos profundamente de nós próprios. Quando compreendemos isto, torna-se mais fácil sentir compaixão por uma pessoa crítica, já que entendemos que se estão a criticar a eles próprios. As pessoas que escolhemos criticar são espelhos dos nosso próprios problemas. Quanto mais evoluímos e trabalhamos nos aspectos que não gostamos de ter, menos críticos nos tornamos em relação aos outros. Porém, a observação e o confronto com os problemas emocionais pode ser um processo doloroso e requer muita coragem. Além do mais, é muito mais fácil e divertido desfazer os outros aos fanicos!"


In:

Gadd, Ann (2007). "A rapariga que rói as unhas e o homem que chega sempre atrasado".

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:04

Mail: perguntas..e respostas à letra..

por Luzia Pinheiro, em 27.01.08

Hoje recebi um belo email, cá vai, riam-se um pouco:


Quando te vêem deitado, de olhos fechados, na tua cama, com a luz apagada e te perguntam:
- Estás a dormir?
- Não!Estou a treinar pra morrer!


Quando a gente leva um electrodoméstico para a reparação e o técnico pergunta:
- Está avariado?
- Não!... É que ele estava cansado de estar em casa e eu trouxe-o para passear.


Quando está a chover e percebem que vais sair à chuva, perguntam:
- Vais sair com esta chuva???
- Não, vou sair com a próxima...


Quando acabaste de te levantar e vem um idiota (sempre) e pergunta:
- Já acordaste?
- Não. Sou sonâmbulo!


O teu amigo liga para tua casa e pergunta:
- Onde estás?
- No Pólo Norte! Um furacão trouxe a minha casa pra cá!


Acabas de tomar banho e alguém pergunta:
- Tomaste banho ?
- Não!... Está a chover no WC!!!!!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:01

Interaccionismo simbólico

por Luzia Pinheiro, em 22.01.08

Interaccionismo simbólico

 

Doutrina assumida pela Escola de Chicago nos anos trinta, cunhada por Herbert Blumer, segundo a qual os indivíduos não são simples reflexo dos factos sociais, antes os produzindo pelas respectivas interacções. Um grupo existe quando os respectivos membros desenvolvem uma compreensão semelhante de determinada situação. O objecto principal da sociologia deveria ser o de se estudarem os pontos de vista e as representações dos diversos actores sociais. Segundo Robert King Merton, se os homens definem as suas situações como tais, elas são reais nas suas consequências.

Ver Elias, Norbert

______________________________________________________________________

retirado de :

http://farolpolitico.blogspot.com/2007/10/interaccionismo-simblico.html

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:39

Uma frase...

por Luzia Pinheiro, em 15.01.08
"O reconhecimento é uma necessidade humana vital. Não apenas uma questão de cortesia. O não reconhecimento ou o falso reconhecimento são formas de opressão." Charles Taylor

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:08

Mãos dadas

por Luzia Pinheiro, em 12.01.08

Mãos dadas (Poema da obra Sentimento do mundo), de Carlos Drummond de Andrade

 

Neste poema (por baixo da imagem) o poeta reafirma a sua consciência da existência de outros homens, seus companheiros. Com eles é que se sente de mãos dadas, e renunciou aos seus temas pessoais: uma mulher, uma história, a paisagem vista da janela. Não mais se refugiará na solidão porque o que lhe interessa é o tempo presente em que se acha inserido, e os homens que o cercam.

O poema "Mãos dadas" anuncia a utópica e festiva solidariedade humana. Como um ativista dos direitos humanos Drummond muitas vezes nega a influência do mundo moderno em sua obra, é o fugir do individual e o olhar para o coletivo e a solidariedade.

 

Mãos dadas

 

 

Não serei o poeta de um mundo caduco.
Também não cantarei o mundo futuro.
Estou preso à vida e olho meus companheiros.
Estão taciturnos mas nutrem grandes esperanças.
Entre eles, considero a enorme realidade.
O presente é tão grande, não nos afastemos.
Não nos afastemos muito, vamos de mãos dadas.

Não serei o cantor de uma mulher, de uma história,
não direi os suspiros ao anoitecer, a paisagem vista da janela,
não distribuirei entorpecentes ou cartas de suicida,
não fugirei para as ilhas nem serei raptado por serafins.
O tempo é a minha matéria, do tempo presente, os homens presentes,
a vida presente.

(link: http://www.passeiweb.com/na_ponta_lingua/livros/resumos_comentarios/m/maos_dadas_poema_drummond)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:09

Começar o ano com humor

por Luzia Pinheiro, em 01.01.08

Para começar o ano em beleza nada melhor que um bom pedaço de humor:

 

 

Cuidado com as crianças...elas sabem-na toda!!!

 

 

Um dia, uma menina estava sentada observando sua mãe lavar os pratos na cozinha. De repente, percebeu que sua mãe tinha vários cabelos brancos que sobressaíam entre a sua cabeleira escura. Olhou para sua mãe e lhe perguntou: - 'Porque você tem tantos cabelos brancos, mamãe?' A mãe respondeu: - 'Bom, cada vez que você faz algo de ruim e me faz chorar ou me faz triste, um de meus cabelos fica branco.' A menina digeriu esta revelação por alguns instantes e logo disse: - 'Mãe, porque TODOS os cabelos de minha avó estão brancos?'

 

 

Todas as crianças haviam saído na fotografia e a professora estava tentando persuadi-los a comprar uma cópia da foto do grupo. - 'Imaginem que bonito será quando vocês forem grandes e todos digam ali está Catarina, é advogada, ou também Este é o Miguel. Agora é médico'. Ouviu-se uma vozinha vinda do fundo da sala: -'E ali está a professora. Já morreu.'

 

 

retirado de:

www.piadasengracadas.com.pt

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:08


Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D