Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


A vida é como uma estrada de terra batida...

por Luzia Pinheiro, em 07.12.08

"A estrada é uma poeira só. E à medida que passavam os carros, uma nuvem avermelhada cobre a visão. Olho para trás e vejo que o ônibus também joga essa nuvem para quem vem atrás. Do outro lado, porém, a visão está mais favorecida. Dá pra ver as muitas montanhas, os cursos d'água, as construções simples mas acolhedoras.


Com o correr dos quilômetros, o caminho volta a ser tranqüilo, sem tanta poeira. Neste trecho é possível ver toda a área com perfeição. Tudo muito verde, muito bonito.
Às vezes, nossa vida é como este caminho, chego a pensar. Por algum motivo nossos olhos se cobrem e, de repente, eis que vemos tudo. E todas as coisas soam claras, ganham sentido.


Há caminhos difíceis de se encontrar, trilhas escondidas entre folhas de arbustos, daquelas que não vemos à primeira vista, mesmo estando tão perto de nós. É aquele caminho que se encontra apenas quando não se quer mais procurar.


Mas há rotas que, logo depois de descobertas, se mostram largas, viçosas e limpidas. Tão cheias de beleza e vitalidade, com muito limo a ser criado. Caminhos que se deseja sem fim, por tão prazeroso que é poder percorrê-los. E também há caminhos que nos movem para frente, nos impelem a continuar sempre. Minimizam todas as dificuldades, servem de alento ao cansaço e eliminam todos os obstáculos. Estradas que tornam qualquer travessia, por mais longa que seja, uma experiência ímpar.


Caminhos que encontramos, mesmo quando não mais o procuramos. Estes são os mais belos, mais especiais, sempre iluminados por estrelas que ali estão para brilar por eles.
E então o tempo, esse conhecido, parece congelar. Como se quisesse eternizar os minutos, guardá-los para posteridade, com a serra, as árvores, os rios e a canção.


Sim, porque as canções estão sempre presentes. E há sempre uma especial para o momento. Ou surge alguma, do nada, e domina os pensamentos, colando-se definitivamente àquele momento.


Não faltam também conversas. Trilhas, pousadas, viagens futuras... os assuntos se sucedem e em cada um deles a mesma marca de alegria e leveza.
 

A estrada segue. E em dado momento não se vê o seu final, apenas as paisagens, que insistem em ser tão belas quanto a canção escolhida para o momento. Talvez, como ambas, sejam os dias que estão por vir. "

 

 

 

retirado de:

http://www.ervilhasdureza.blogger.com.br/

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:07



Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D